Um avião proveniente do Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, despenhou-se esta madrugada em Rostov-on-Don, no sul da Rússia, causando 62 mortos. Os investigadores russos no local confirmaram que o boeing levava 55 passageiros (18 homens, 33 mulheres e quatro crianças) e sete tripulantes. Não há sobreviventes. 

“De acordo com a informação inicial, havia 55 passageiros e sete membros da tripulação a bordo. Morreram todos”, disseram os peritos.

O aparelho da companhia aérea de baixo custo FlyDubai caiu esta madrugada quando tentava aterrar no aeroporto em Rostov-on-Don. O Ministério para as Situações de Emergência russo informou que a queda do avião registou-se a cerca de 250 metros da pista de aterragem, pelas 03:40, hora local (00:40 em Lisboa).

As causas para a queda do Boeing 738 ainda não são conhecidas. Os peritos russos investigam quer a hipótese de ter havido erro humano, quer a possibilidade de se ter tratado de uma falha técnica. As más condições metereológicas que têm afetado a região também poderão ter causado o incidente.

"Estão a ser estudadas diferentes versões do que pode ter acontecido, incluindo a hipótese de erro da tripulação, a de falha técnica e as más condições metereológicas", destacaram os especialistas.

 

Uma das caixas negras do avião já foi encontrada e poderá conter informações importantes para a investigação.

A transportadora aérea FlyDubai já lamentou a tragédia e assegurou que vai investigar o mais rapidamente possível o acidente.

"Neste momento os nossos pensamentos e orações estão com os passageiros e tripulantes que estavam a bordo do aparelho."

 

O fabricante aeronáutico dos Estados Unidos Boeing também se ofereceu para prestar assistência técnica na investigação do acidente aéreo.

O presidente russo, Vladimir Putin, informou que dar assistência aos familiares das vítimas é neste momento a prioridade para o Kremlin. 

"O chefe de Estado disse que agora o principal é trabalhar com as famílias daqueles que morreram ", disse o porta-voz do Presidente, Dmitry Peskov.

De acordo com a agência Reuters, a maioria dos passageiros era de nacionalidade russa. Dois membros da tripulação tinham nacionalidade espanhola, informaram à EFE fontes consulares. As fontes indicaram que “o cônsul honorário [de Espanha] nessa cidade russa já está no aeroporto” para se encarregar da ocorrência.