Quase 10% das cerca de 2.000 espécies de abelhas selvagens europeias estão ameaçadas de extinção, de acordo com um estudo hoje divulgado pela Comissão Europeia.

A investigação realizada pelo braço executivo da União Europeia é a primeira a focar-se na população de abelhas selvagens europeias, que é menos conhecida do que a variedade doméstica, mas igualmente importante para a polinização das culturas.

O relatório revela que 9,2% das espécies de abelhas selvagens da Europa estão ameaçadas de extinção, enquanto 5,2% das mesmas são consideradas suscetíveis de entrar para a lista num futuro próximo", revela a comissão.

A avaliação foi publicada como parte da Lista Vermelha Europeia das Abelhas, criada pela União Internacional para a Conservação da Natureza, e do projeto Estatuto e Tendências dos Polinizadores Europeus.

Os autores do estudo consideram que este providencia a «melhor compreensão», até ao momento, sobre as 1.965 espécies pesquisadas, mas acrescentam que o conhecimento ainda está incompleto devido a uma «alarmante falta de recursos e competências».

A União Internacional para a Conservação da Natureza sublinhou que a investigação, cofinanciada pela Comissão Europeia, mostra a urgência em investir em pesquisas para deter o declínio das abelhas selvagens, que desempenham «um papel essencial na polinização das culturas».

«Se não abordarmos as razões por detrás deste declínio e não agirmos com urgência para detê-las, podemos pagar um preço muito elevado», disse Karmenu Vellu, comissário europeu para o meio ambiente.


Segundo a Comissão, 84% das principais culturas para consumo humano na Europa exigem polinização por insetos para melhorar a qualidade e o rendimento do produto.

As abelhas estão ameaçadas pela «perda e degradação em grande escala» das espécies e dos seus espaços, sobretudo devido à agricultura intensiva e ao uso de inseticidas e fertilizantes.

«A mudança climática é outro importante fator de risco de extinção para a maioria das espécies de abelhas, particularmente as mamangabas», alertou a Comissão.