Com o encerramento definitivo da fronteira húngara, a Eslovénia é o país que se segue na caminhada dos refugiados rumo à Europa Ocidental.

Depois de andarem em círculos, à deriva nos Balcãs, os 1.200 migrantes chegaram de comboio à Eslovénia, todos oriundos da Croácia, um dia depois de seis autocarros com migrantes terem entrado no país pelo posto de fronteira  Petisovci/Mursko Sredisce.

A Eslovénia alertou, no entanto, que não vai aceitar que um número ilimitado de migrantes atravesse as suas fronteiras, dizendo que a Croácia, a Sérvia e a Macedónia deverão tomar medidas para diminuir o fluxo, noticia a Reuters.

"Não podemos aceitar um número ilimitado de migrantes se soubermos que eles não conseguem continuar a sua jornada", afirmou Bostjan Sefic, secretário do ministro do Interior esloveno, acrescentando que acredita que " Croácia, a Sérvia e a Macedónia também irão tomar medidas".

Inicialmente, 
a Eslovénia afirmou ter capacidade para garantir o trânsito de oito mil pessoas por dia desde que aceitem ser identificadas. O governo esloveno garantia ainda que as fronteiras não seriam encerradas enquanto a Alemanha e a Áustria mantiverem a política de portas abertas. A esmagadora maioria dos migrantes que procuram asilo são civis que fogem da guerra da Síria.