O momento em que dois ursos polares esfomeados invadem o aeroporto Wiley Post-Will Rogers Memorial, no Alasca, foi divulgado nas redes sociais e tornou-se num novo alerta para a dificuldade destes animais em arranjarem comida. As imagens surgem uma semana depois de um fotógrafo colaborador da National Geographic ter divulgado imagens de um urso polar a morrer à fome.

"Bem, é só mais um dia no aeroporto Wiley Post-Will Rogers Memorial", pode ouvir-se o funcionário do aeroporto, Scott Babcock, a dizer no vídeo. Isto porque não é a primeira vez que os animais invadem a pista.

Na passada quinta-feira, o trabalhador deparou-se com os animais quando terminava de fazer a inspeção a uma das pistas do aeroporto. Inicialmente pensou que eram lobos, mas ao aproximar-se com os faróis do veículo ligados pode ver que se tratavam de ursos polares esfomeados.

"Estão à procura de comida. Eles procuram por qualquer coisa que consigam encontrar, como qualquer urso. Se conseguirem encontrar alguma coisa estendida no chão, é mais fácil de a apanhar do que matar um leão marinho", contou Babcock à Associated Press.

Os ursos afastaram-se do seu habitat natural à procura de alimento, algo cada vez mais habitual na zona. A regularidade com que isto está a acontecer preocupa os habitantes de Utqiagvik, onde se situa o aeroporto.

O departamento de Transporte do Alasca adverte que "os ursos polares têm garras, dentes e, às vezes, atitudes letais" e que podem ser difíceis de detetar por causa da falta de luz solar nesta época do ano. 

"Podem estar a 50 metros de ti e não sabes", conta Babcok.

Os ursos polares são mamíferos marinhos protegidos e os trabalhadores não estão autorizados a persegui-los. Se estes não abandonarem a área, os funcionários são obrigados a chamar o departamento de gestão da vida selvagem de North Slope Borough.

A invasão de animais ao aeroporto do Alasca não é novidade. Em outubro, um leão marinho com cerca de 200 quilos foi apanhado pelo mesmo funcionário a descansar, no meio da pista de aterragem, após uma tempestade.