As autoridades japonesas recomendaram a retirada de cerca de 64 mil pessoas depois da chegada do tufão Talim ao sul do arquipélago, onde causou já fortes alterações nos transportes do país.

O Talim, 18.º tufão da temporada no Pacífico, atingiu terra às 11:30 (03:30 em Lisboa) na cidade de Minami-Kyushu, no extremo sul da ilha de Kyushu, onde provocou chuvas e ventos fortes.

A tempestade levou à emissão de uma ordem de retirada para 448 pessoas em várias zonas nas localidades de Kumamoto e Miyazaki, com as autoridades a recomendarem a retirada de cerca de 64 mil residentes em outras cidades da ilha, de acordo com dados recolhidos pela cadeia pública japonesa NHK.

Às 13:50 locais (05:30 em Lisboa), o Talim encontrava-se sobre a cidade Nichinan, no sudeste de Kyushu, indicou a agência meteorológica do Japão (JMA).

O Talim move-se a 30 quilómetros por hora para nordeste em direção à ilha vizinha de Shikoku, com ventos de 162 quilómetros por hora.

Mais de 770 voos nacionais foram cancelados, na maioria com saída ou destino aos aeroportos de Kyushu, Shikoku e à região de Chugoku. Alguns comboios de alta velocidade e de ligações locais, bem como os serviços de `ferry` foram suspensos.

A JMA colocou sob alerta grande parte da metade sul do arquipélago devido a possíveis aluimentos de terra, forte chuva e ondulação, e pediu aos residentes para estarem preparados para serem retirados a qualquer momento.

O Talim deverá passar durante o dia por Kyushu e Shikoku, atingido ainda zonas do oeste da ilha de Honshu, antes de seguir para o mar do Japão e voltar a entrar em terra no norte de Honshu e na ilha de Hokkaido, na segunda-feira.