O Regimento de Cavalaria 3 (RC3), de Estremoz, vai enviar 30 militares numa missão para o Iraque, sendo esta a segunda força portuguesa destacada para aquele país, disse esta quinta-feira à agência Lusa o comandante da unidade.

O coronel Nuno Duarte explicou que a unidade tem a missão de proceder ao aprontamento de 30 militares, 11 oficiais, 16 sargentos e três praças, provenientes de unidades que pertencem à Brigada de Reação Rápida (BrigRR) do Exército, sendo que 21 integram as fileiras do RC3, que está também integrado na BrigRR.

O comandante do RC3 de Estremoz, no distrito de Évora, adiantou que os militares partem para o Iraque na última semana de outubro, numa missão de seis meses, para render no dia 06 de novembro os militares do Centro de Tropas dos Comandos, que constituíram a primeira força portuguesa destacada para aquele país do Médio Oriente e que partiram de Portugal em maio deste ano.

Segundo o comandante do RC3, as três dezenas de militares portugueses vão "ministrar formação e treino às forças iraquianas", no âmbito da coligação internacional contra o Estado Islâmico do Iraque, liderada pelos Estados Unidos, e juntar-se aos militares de outros países.

"Os militares estão a preparar-se para cumprirem uma missão na defesa dos valores e interesses ocidentais", disse o coronel Nuno Duarte.

O RC3, a unidade mais antiga em atividade do Exército Português, está instalado em Estremoz há 140 anos, desde 05 de abril de 1875, e integra a Brigada de Reação Rápida, com comando em Tancos, uma das principais unidades operacionais do Exército.

O Regimento de Cavalaria 3 "Dragões de Olivença" tem origem numa das mais antigas unidades do Exército, fundada em 1707, em Olivença.

A Brigada de Reação Rápida integra na sua maioria militares paraquedistas, comandos e de operações especiais "altamente treinados".

A "elevada preparação" dos seus militares e o seu "moderno equipamento" torna a BrigRR como a principal força de intervenção terrestre de Portugal, com inúmeras operações em vários países.