Os esqueletos de 200 soldados de Napoleão foram encontrados durante obras de construção civil na cidade alemã de Frankfurt, indicaram hoje as autoridades.

“Estimamos que cerca de 200 pessoas tenham sido aqui enterradas”, disse Olaf Cunitz, diretor do ordenamento urbano da cidade, numa conferência de imprensa realizada no local do achado, no bairro de Roedelheim.

“De acordo com o nosso cálculo preliminar, trata-se de soldados da Grande Armada de 1813”, que regressavam da ofensiva de Napoleão à Rússia.

Tinham participado em batalhas que fizeram 15.000 mortos em zonas próximas de Frankfurt em outubro de 1813, precisou Cunitz.

Os soldados provavelmente morreram de ferimentos sofridos em combate ou sucumbiram a uma epidemia de febre tifoide que dizimou o seu exército na altura, prosseguiu, acrescentando, contudo, que isto terá ainda de ser cientificamente confirmado.

Existe a certeza de que “as sepulturas foram feitas de emergência”, salientou Andrea Hampel, diretora do património histórico de Frankfurt.

Os soldados foram enterrados em caixões, que mantiveram os esqueletos bem preservados.

Estavam alinhados numa fila, sem lápides funerárias, com orientação norte-sul, em vez do eixo este-oeste, como era habitual entre os cristãos europeus, na época, o que sugere que foram sepultados à pressa, referiu Hampel.

Mais de 30 esqueletos foram desenterrados, e espera-se que os trabalhos para desenterrar os restantes demorem entre quatro e seis semanas, indicou o coordenador das escavações, Juergen Langendorf.