O Tribunal Supremo de Angola indeferiu o pedido de 'habeas corpus' para libertação dos 15 jovens ativistas detidos desde 20 de junho em Luanda, por suspeita de prepararem um golpe de Estado, informou esta quinta-feira a defesa.

O advogado Walter Tondela, que defende nove destes jovens e que avançou em julho com este pedido de libertação, explicou à Lusa que a decisão foi comunicada pelo tribunal na quarta-feira, recusando qualquer ilegalidade (como era invocado no pedido) na detenção.

"O tribunal foi ainda mais longe e até os deu como culpados, quando o processo ainda está em investigação, invocando factos que não constam do processo. Não é assim que se constrói um Estado de direito e democrático em Angola", criticou o advogado.