A passagem entre o Egito e a Faixa de Gaza, que está habitualmente fechada, abriu parcialmente por um período de quatro dias, anunciou o Ministério do Interior do movimento radical Hamas, no poder no enclave palestiniano.

A reabertura é relativa apenas aos “casos humanitários” e no sentido Gaza-Egito, precisou a mesma fonte.

Este sábado de manhã, cerca de 200 pessoas, entre as quais dez doentes que irão ser tratados no Egito, atravessaram a fronteira em Rafah, no sul de Gaza.

Entre os que deixaram o enclave encontravam-se ainda estudantes inscritos em estabelecimentos no Egito, egípcios e palestinianos que trabalham em países estrangeiros e que estavam bloqueados na faixa de Gaza.

Para os palestinianos que querem entrar no enclave a partir do Egito não existem limitações.

Este ponto de passagem, a única ligação ao mundo da Faixa de Gaza que não é controlada por Israel, esteve aberto pela última vez em meados de novembro, durante três dias.

O enclave palestiniano é alvo de um bloqueio israelita há mais de dez anos.