As autoridades de Macau baixaram hoje de 8 para 3 o alerta de tempestade tropical, enquanto o tufão Mangkhut se afasta gradualmente do território, e preveem a redução da intensidade do vento nas próximas horas. O alerta tinha já sido reduzido de 10 para 8 às 20:00 horas locais de domingo (13:00 horas de hoje em Lisboa).

A redução do sinal para 3 ocorreu às 04:00 horas de segunda-feira em Macau (21:00 horas de hoje em Lisboa), e a previsão era de ventos entre os 41 e 62 quilómetros por hora acompanhados de rajadas de cerca de 110 quilómetros por hora.

As autoridades alertam para o facto de, nas pontes, o vento poder atingir um nível forte com rajadas e recomendaram cuidados redobrados aos condutores.

O furacão Mangkhut, que se localizava a cerca de 430 quilómetros a oeste de Macau, continua a afastar-se gradualmente do território.

As autoridades de Macau cancelaram às 23:00 de hoje (16:00 em Lisboa) os alertas de "storm surge" (maré de tempestade) e atualizaram o balanço provisório de 15 para 17 feridos, um deles em estado grave, devido ao tufão Mangkhut.

A tempestade tropical, classificada já como a maior do ano, causou pelo menos 64 mortos e 33 feridos nas Filipinas, onde outras 45 pessoas continuam desaparecidas, de acordo com o último balanço da polícia local.

Pelo menos uma pessoa morreu em Taiwan e outras duas na província de Guangdong (adjacente a Macau), no sul da China, segundo um canal de televisão local.

A Lusa contactou às 21:00 (14:00 em Lisboa) o consulado-geral de Portugal em Macau e Hong Kong, que referiu não haver registo de vítimas entre portugueses nestes dois territórios.

No Aeroporto Internacional de Macau foram adiados ou cancelados 191 voos, mas as autoridades anunciaram que estes serão retomados gradualmente na segunda-feira, a partir das 08:00 (01:00 em Lisboa).

A maioria dos casos assinalados pelo Centro de Operações da Proteção Civil (OPC) diz respeito a queda de reclamos, toldos, janelas e outros objetos (88), danos em construção, queda de reboco e outros objetos (30), queda de árvores (21) e de andaimes (13).

Para já foram reportados sete casos de inundações, uma das grandes preocupações das autoridades de Macau.

De acordo com o Instituto para os Assuntos Cívicos de Macau, a suspensão de energia elétrica determinou o encerramento do local de encontro para evacuação de emergência no Mercado da Praia do Manduco, não existindo residentes dentro das instalações, ressalvou aquela entidade.

A suspensão do abastecimento de energia elétrica em algumas zonas da cidade está a afetar 20 mil clientes em zonas que incluem a Praia do Manduco, a Rua do Almirante Sérgio, a Avenida Almeida Ribeiro, a Rua Ribeira do Patane, o Porto Interior e a Doca do Lam Mau.

O impacto do tufão levou o chefe do Governo de Macau a emitir um despacho no qual se determina o encerramento de todos os serviços públicos na segunda-feira, com exceção daqueles integrados na estrutura da Proteção Civil e de representação exterior.

Todas as instituições de ensino superior em Macau também decidiram suspender a sua atividade na segunda-feira.

Já as instalações culturais sob a alçada do Instituto Cultural, incluindo locais relacionados com a promoção do património, bibliotecas públicas, museus e salas de exposições, entre outras, serão encerradas na segunda e na terça-feira ao público para que se proceda à inspeção e limpeza daqueles espaços.