O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, defendeu hoje o compromisso de “não repetir a história” para as gerações futuras no memorial para assinalar o 70.º aniversário da rendição do seu país, que pôs fim à II Guerra Mundial.

“Agora, 70 anos depois do fim da guerra, nós os membros da geração atual renovamos o nosso compromisso de não repetir a história para que as gerações vindouras possam olhar para o futuro”, disse Abe durante a sua intervenção na cerimónia organizada no estádio Nippon Budokan, em Tóquio.


Após o discurso do primeiro-ministro, foi cumprido um minuto de silêncio em memória das vítimas do conflito.

A Presidente da Coreia do Sul reagiu ao discurso e considerou que o discurso do primeiro-ministro japonês, no qual expressou profundo arrependimento pelos atos cometidos pelo Japão durante a II Guerra Mundial, ficou aquém das expetativas de Seul.

“A declaração do primeiro-ministro (na sexta-feira) deixa muito a desejar”, disse a Presidente sul-coreana durante um discurso que assinala o 70.º aniversário da capitulação do Japão durante a II Guerra Mundial, marcando o fim da colonização da península coreana.


Segundo a Presidente sul-coreana, Park Geun-Hye, Tóquio devia realizar “ações sinceras” para conquistar a confiança dos países vizinhos.