A japonesa Honda deu conta de uma nova morte de um passageiro devido à explosão de um airbag, elevando o total de fatalidades para sete, o que obrigou à chamada às oficinas de milhões de veículos.

O fabricante automóvel confirmou esta segunda-feira que uma mulher morreu em Louisiana, Estados Unidos, em abril, depois de o mecanismo do seu Honda Civic, de 2005, rebentar, projetando fragmentos metálicos na sua direção.

A confirmação surgiu depois de a unidade da Honda nos Estados Unidos ter informado a Administração Nacional de Segurança e Tráfego nas Autoestradas da morte da mulher, na sexta-feira.

A notícia vem agravar a crise do fabricante dos airbags, a empresa Takata, que no mês passado levou a que 34 milhões de veículos fossem chamados às oficinas.

A Honda, que esta semana vai nomear um novo presidente, é a marca mais afetada por esta retirada dos veículos, que também atingiu a Toyota, Ford, General Motors, Nissan, e BMW.