Os membros da coligação, liderada pelos Estados Unidos, que luta contra o autoproclamado Estado Islâmico apelaram na quinta-feira a que seja respeitada a resolução de não pagar resgates por cidadãos capturados por militantes, afirmaram dirigentes norte-americanos.

O apelo para cumprir a resolução do Conselho de Segurança da ONU surgiu após cerca de 25 membros da coligação de países se encontrarem em Jeddah, na Arábia Saudita, no dia 07 de maio.


Um comunicado emitido pelo grupo "rejeita o pagamento ou facilitação de resgates ao Estado Islâmico, de forma a negar ao Estado Islâmico uma importante fonte de fundos e remover o incentivo principal para os raptos ou tomadas de reféns", afirmou o Departamento de Estado e do Tesouro norte-americano.