A Coreia do Norte aparentemente fracassou esta sexta-feira na sua tentativa de lançar um míssil para assinalar o aniversário de nascimento do fundador do país, informou o exército da Coreia do Sul.

A Coreia do Norte terá tentado levar a cabo um ensaio de míssil perto da sua costa leste hoje de manhã cedo, mas aparentemente falhou”, indicou o Estado-Maior do exército sul-coreano em comunicado.

Os meios de comunicação social sul-coreanos anunciaram, na véspera, que Pyongyang se preparava para disparar novos mísseis balísticos de médio alcance, por ocasião do aniversário de Kim Il-Sung (1912-1994).

O míssil ou mísseis 'Musudan' estariam colocados numa plataforma de lançamento móvel há 20 dias, na localidade de Wonsan, no sudeste da Coreia do Norte.

Os mísseis `Musudan` têm um alcance estimado entre 2.500 e 4.000 quilómetros, uma distância suficiente para atingir a Coreia do Sul e o Japão e, eventualmente, as bases norte-americanas situadas na ilha de Guam, no Pacífico.

Human Rights Watch denuncia crimes da Coreia do Norte

A organização internacional Human Rights Watch (HRW) denunciou o historial de violações de direitos humanos da Coreia do Norte a propósito do 104. º aniversário do nascimento do fundador do país, Kim Il-sung.

Kim Il-sung sustentou o seu regime em cruéis violações de direitos, como frequentes desaparecimentos forçados e letais campos de prisioneiros para infligir medo e reprimir qualquer voz que desafiasse o seu governo”, declarou Phil Robertson, subdiretor para a Ásia da HRW, num relatório.

No documento, intitulado “Coreia do Norte: o catastrófico legado de Kim Il-sung”, a organização não-governamental critica o neto do fundador e atual líder do país, Kim Jong-un, por estar “a seguir fielmente os passos do seu avô” no que diz respeito a abusos.