O Estado Islâmico divulgou um novo vídeo onde decapita 21 cristãos de origem egípcia, segundo a Reuters.

À semelhança dos vídeos anteriores dos rebeldes, os reféns, que foram raptados na Líbia, vestem fatos laranja e são obrigados a deitarem-se no chão antes de os jihadistas os matarem a sangue frio.

O vídeo foi divulgado numa conta do Twitter ligada a um grupo de apoio dos extremistas.

O Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, já reagiu a este vídeo e assegurou que o Egito vai responder ao ataque dos jihadistas, avisando que vão ser tomadas «as medidas necessárias para vingar as mortes criminosas». A garantia foi feita durante uma conferência de imprensa transmitida pela televisão nacional do país. 

O chefe de Estado convocou uma reunião urgente do Conselho de Defesa Nacional e declarou sete dias de luto nacional, segundo um comunicado citado pela agência estatal de notícias Mena.

O presidente disse ainda que encarregou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Sameh Shukri, de viajar imediatamente para Nova Iorque (Estados Unidos) para assegurar as reuniões necessárias na Organização das Nações Unidas e no Conselho de Segurança, de forma a exigir uma reação internacional.

Abdel Fattah al-Sisi apelou à cooperação na luta antiterrorista «sem exceções».