Um batalhão de 800 soldados da Serra Leoa que aguardava a partida para a Somália, onde iam integrar um contingente de paz foram esta terça-feira colocados de quarentena por suspeitas de infeção com o vírus ébola.

As análises feitas a um dos militares deram um resultado positivo à presença do vírus letal, obrigando as oito centenas de homens a um período de isolamento de 21 dias, o tempo de incubação do vírus, noticia a Reuters.

O anúncio é feito no mesmo dia em que a Organização Mundial de Saúde atualiza os dados sobre o número de vítimas do vírus que provoca febres hemorrágicas e para o qual não há vacina.
O número de mortes por ébola sobe para 4447 e já são mais de 8900 os infetados





autoridades de saúde alemãs confirmaram a morte de um funcionário da ONU