Lula da Silva prestou esta quarta-feira depoimento ao juiz Sérgio Moro, responsável pelos casos da Operação Lava Jato. O ex-presidente do Brasil negou ter recebido qualquer suborno da construtora Odebrecht.

O ex-chefe de Estado falou pouco mais de duas horas como réu de um processo no qual é acusado de ter recebido ilicitamente da Odebrecht um terreno no valor de 12,4 milhões de reais (3,3 milhões de euros), onde seria construída uma nova sede do Instituto Lula, e a propriedade de um apartamento localizado ao lado do imóvel em que mora, na cidade de São Bernardo do Campo.

Inventaram que o apartamento é meu, e não é, e eles sabem disso"

Lula da Silva alegou que as denúncias do Ministério Público foram feitas por "ilação", porque os procuradores que o acusam teriam "a ideia de transformá-lo em uma espécie de personagem para validar um power point.

Espera, inclusive, que um dia o Ministério Público tenha "grandeza" para lhe pedir desculpa.

Poderia ficar zangado, nervoso, mas quero enfrentar o Ministério Público para provar minha inocência"

Esta é a terceira vez que o ex-presidente brasileiro é constituído arguido em processos baseados em investigações dos esquemas de corrupção na Petrobras e em outros órgãos públicos do país.

Lula da Silva foi acusado de ter cometido os crimes de corrupção passiva e branqueamento de capitais num processo relacionado com uma quinta localizada na cidade de Atibaia, no interior de São Paulo.

Depois do depoimento, o ex-presidente do Brasil reafirmou a sua candidatura a presidente em 2018. Num ato público no centro de Curitiba disse que prefere a "morte a passar para história como mentiroso".