Os deputados britânicos aprovaram esta segunda-feira em segunda leitura o projeto de lei conservador que limita o direito à greve, já na presença do novo líder do Partido Trabalhista (oposição), Jeremy Corbyn.

O texto, que ainda precisa de ser aprovado em terceira leitura e passar pela Câmara dos Lordes, antes de ser formalmente adotado, foi fortemente criticado pelos deputados e membros do novo governo sombra do Partido Trabalhista.

Angela Eagle, responsável pelo Comércio no Partido Trabalhista, criticou o “ataque ideológico e partidário dos conservadores contra os sindicatos, quando nas últimas duas décadas o número de dias de greve caiu em 90%”.