Dois fortes sismos abalaram a ilha de Kyushu, no sudoeste do Japão, esta quinta-feira. As autoridades locais confirmaram nove mortos, dezenas de feridos e edifícios destruídos. 

O primeiro sismo, de magnitude 6,2 na escala de Richter, foi registado em Ueki, na prefeitura de Kumamoto, onde se localizam várias centrais nucleares, anunciou a agência meteorológica japonesa. Horas depois, outro forte tremor de terra, de magnitude 5,9, voltou a abalar a região. 

“Até ao momento, o número estabilizou em nove mortos”, afirmou um funcionário do centro de gestão de desastres da prefeitura de Kumamoto, na ilha de Kyushu.

Não foi ativado alerta de 'tsunami'. No entanto, a agência meteorológica japonesa advertiu para a possibilidade de réplicas ao longo da semana. 

O responsável do governo japonês Yoshihide Suga afirmou que há pelo menos 12 feridos e 19 edifícios ficaram destruídos, mas não confirmou a existência de mortos. O mesmo responsável acrescentou que foram destacados 350 militares para as operações de resgate.

Segundo a CNN, as autoridades locais admitem que há um número não confirmado de pessoas presas nos escombros. A televisão japonesa mostrou imagens de vários incêndios em curso. 

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, convocou uma reunião de emergência para ser traçada uma resposta.

As duas centrais nucleares localizadas na ilha estão a funcionar normalmente e, segundo responsáveis citados pela AFP, os funcionários estão agora a revistar os equipamentos para identificar eventuais danos.

De acordo com a NHK, o abalo foi aparentemente mais forte do que o sentido em 11 de março de 2011 e que provocou níveis de destruição catastróficos, incluindo um acidente nuclear na central de Fukushima.