Pelo menos 17 pessoas morreram num tiroteio que ocorreu, esta quarta-feira, no liceu Marjory Stoneman Douglas em Parkman, na Florida, nos Estados Unidos, confirmou a polícia do condado de Broward no Twitter.

"Lamento dizer que 17 pessoas morreram", afirmou o xerife local, Scott Israel. 

Segundo a mesma fonte, 12 das vítimas morreram na escola, duas foram baleadas fora do edifício, uma pessoa foi baleada na rua e duas das vítimas acabariam por morrer no hospital.

Anteriormente, as autoridades apenas tinham confirmado que 14 feridos foram transportados para o Centro Médico de Broward e para o Hospital de Broward North.

O atirador, que se colocou em fuga após o tiroteio, "foi detido depois de cometer este ato horrível, homicida e detestável”. Segundo as autoridades, o suspeito tem 19 anos e foi identificado como Nikolas Cruz, um antigo estudante do liceu. 

Suspeito é entregue às autoridades

Segundo um oficial federal, citado pela agência Associated Press, Nicolas Cruz acabou por ser detido pelas autoridades já fora do perímetro escolar.

O xerife do condado de Broward, Scott Israel, confirmou que o atirador é um antigo aluno, afirmando que o cenário encontrado na escola "foi horrível” e que este é “um dia catastrófico”.

As autoridades da Florida afirmaram que o atirador abriu fogo na escola e causou “várias mortes”, apesar de ainda não terem sido revelados os dados oficiais do número de vítimas mortais e feridos na ocorrência.

Segundo o diretor da escola, Robert Runcie, há “muitos mortos”.

Alunos mostram imagens dentro da escola

Assim que o tiroteio começou foi enviada uma equipa das operações especiais para a escola, que foi encerrada, com os estudantes e restante comunidade educativa a abandonarem as instalações. Várias ambulâncias, veículos dos bombeiros e carros da polícia acorreram ao local.

No Twitter, os alunos foram publicando fotografias do que estava a acontecer. Um dos estudantes, identificado como Aidan, publicou várias fotos de como estavam escondidos nas salas depois de ter começado o tiroteio.

"Está a acontecer um tiroteio na escola e estamos fechados cá dentro. Estou completamente assustado", escreveu o jovem, que quando foi resgatado pelas autoridades informou naquela rede social que estava bem, assim como o irmão, e pediu para que rezassem pelas vítimas.

 

O momento em que as equipas de segurança entraram na escola também foi partilhado no Twitter. Nas imagens é possível ver os agentes a pedirem às pessoas para que se deitem no chão.

Além de publicarem nas redes sociais, os alunos foram enviando imagens para os familiares a dar conta do que estava a acontecer. 

A escola vai permanecer encerrada o resto da semana e todas as atividades escolares foram canceladas, informou o estabelecimento escolar através do Twitter.

A Casa Branca, em comunicado, refere que o Presidente, Donald Trump, está “atento e a seguir de perto” o tiroteio na escola da Florida, acrescentando que os seus “pensamentos e orações” estão com os afetados.