A Al Qaeda no Iémen reivindicou a autoria pelo ataque ao jornal satírico francês «Charlie Hebdo», avança a Reuters. Num vídeo publicado no Youtube, Nasser bin Ali al-Ansi afirma que os responsáveis pelo ataque foram «escolhidos» para o fazer.
 
«Quanto à abençoada batalha de Paris, nós, a Organização da Al Qaeda al Jihad na Península Arábica, assumimos a responsabilidade por esta operação como vingança pelo Mensageiro de Deus», afirma ainda.




Já não é a primeira vez que se fala das suspeitos do terrorismo em Paris estar ligado ao Iémen. Na sexta-feira, durante o cerco aos suspeitos de terrorismo, a BFM TV conversou com um dos irmãos Kouachi, o mais velho, Chérif, que adiantou que o ataque foi encomendado pela «Al Qaeda no Iémen» e foi financiado pelo imã Anwar Al Awlaki.  

No entanto, no passado domingo, um homem que se assemelha a Amedy Coulibaly, suspeito de ter matado uma polícia em Paris e de ter feito reféns num supermercado , reclama pertencer à organização Estado Islâmico, num vídeo que, segundo a Reuters, foi tornado público por uma conta de Twitter ligada ao Estado Islâmico. 

Falando diretamente para a câmara, o homem disse ter agido «contra a polícia», enquanto uma legenda o identifica como Amedy Coulibaly, o homem que matou a polícia em Montrouge e atacou o supermercado ‘kosher’ (judeu) em Paris. 

«Atacam o Califado, atacam o Estados Islâmico, nós atacamos-vos», diz Coulibaly no vídeo que, segundo o Le Figaro, já foi autenticado pela polícia. 

Os Estados Unidos confirmaram entretanto a autenticidade do vídeo. Os serviços de informações norte-americanos «determinaram que o vídeo da AQAP é autêntico», disse a porta-voz da diplomacia americana Marie Harf, sem confirmar explicitamente que grupo armado islâmico foi responsável pelo ataque ocorrido há exatamente uma semana em Paris, que provocou a morte de 12 pessoas.,