«Não haverá celebrações de Natal e Ano Novo este ano. Vamos garantir que toda a gente fica em casa para refletir sobre o ébola», afirmou o ministro da defesa, Palo Conteh, esta sexta-feira.

 

«Os militares vão estar nas ruas no Natal e Passagem de Ano para parar todas as celebrações de rua», acrescentou o ministro da pasta da defesa, encarregue da unidade de resposta ao vírus.

casos de contágio

Embora o islamismo seja a religião dominante, mais de um quarto da população do país é cristã e há decorações natalícias à venda nos mercados locais, e árvores de Natal em muitos edifícios públicos.