O ministro da Saúde de Angola, José Van-Dúnem, descartou esta quarta-feira em Luanda a existência de casos de ‘legionella' no país, um surto que já matou cinco pessoas e infetou quase 300 em Portugal.

Segundo o governante, o sistema de vigilância epidemiológica angolano não acusou nenhum caso de ‘legionella', conforme anunciaram na terça-feira as autoridades portuguesas, na sequência do surto em Vila Franca de Xira, referindo-se a um doente internado em Luanda.

«Sendo a ‘legionella' uma doença que afeta a capacidade respiratória não é esperado que uma pessoa com ‘legionella' fique na sua casa e, portanto, deveria procurar uma unidade sanitária», referiu o ministro, para sustentar a ausência de qualquer notificação.

O ministro da Saúde de Angola apelou ainda à colaboração das pessoas na informação sobre algum caso suspeito.

Contactada na terça-feira pela Lusa em Luanda, a Diretora Nacional de Saúde Pública de Angola, Adelaide de Carvalho, afirmou desconhecer qualquer caso de infeção por ‘legionella' no país, acrescentando que a sua notificação, pelas unidades de saúde, «em princípio» é obrigatória.

«Não tenho, neste momento, qualquer informação sobre isso», disse.