"O papiro de César", o novo álbum de banda desenhada da série Astérix e Obélix, que sai esta quinta-feira em vários países, incluindo Portugal, tem novas personagens, algumas inspiradas na atualidade como, por exemplo, Julian Assange, fundador do Wikileaks.

O livro foi apresentado,no dia 12 de outubro, numa conferência de imprensa na Torre Eiffel, em Paris, com os autores Jean-Yves Ferri e Didier Conrad e na presença de Albert Uderzo, 88 anos, um dos criadores originais desta banda desenhada.

Uma das oito novas personagens criadas por Yves Ferri e Didier Conrad chama-se "Doublepolemix" e é um jornalista gaulês inspirado na figura de Julian Assange, fundador da organização Wikileaks. O vilão desta história é "Bonuspromoplus", conselheiro de César.

"O papiro de César", 36º volume desta BD, terá uma tiragem de dois milhões de exemplares em francês e outros dois milhões noutras vinte línguas e idiomas, entre as quais português e mirandês.

Yves Ferri e Didier Conrad são os mesmos autores que em 2013 assinaram o volume anterior, "Astérix entre os Pictos", o primeiro livro no qual Uderzo não participou.

Uderzo e René Goscinny revelaram Astérix na revista Pilote em 1959. Astérix é um pequeno gaulês de bigode farfalhudo que tem como grande amigo Obélix, personagem desajeitada e com uma força desmesurada, que carrega menires e adora comer javalis.

Ambos são habitantes de uma invencível aldeia que teimosamente resiste às investidas militares dos romanos por conta de uma famosa poção mágica inventada pelo druida Panoramix.

O primeiro livro, "Astérix, o gaulês", só saiu em 1961, dando início a uma das mais bem sucedidas séries de banda desenhada, com mais de 350 milhões de livros vendidos em todo o mundo.

A parceria entre Uderzo e Goscinny terminou em 1977 com a morte do argumentista, mas o nome de ambos foi sempre mantido na assinatura das histórias.

Albert Uderzo, de 88 anos, retirou-se da série em 2011 alegando cansaço.