O Estado Islâmico reivindicou o tiroteio na discoteca de Orlando, na Florida. De acordo com a Sky News, que cita a agência Amaq, ligada ao grupo extremista, o Estado Islâmico reclamou a responsabilidade pelos atos de Omar Mateen, que fizeram meia centena de mortos e deixaram outros tantos feridos.

"O ataque armado que visou um clube para homossexuais na cidade de Orlando, no estado norte-americano da Florida, deixando mais de 100 mortos e feridos, foi perpetrado por um combatente do Estado Islâmico", afirmou a Amaq num curto comunicado, citando "uma fonte".

A notícia surge depois de começarem a circular informações de que Mateen havia jurado lealdade ao Estado Islâmico. Circulava também a informação que o jovem de 29 anos era acompanhado de perto pelo FBI, por causa das suas ligações ao extremismo islâmico.

Uma conta de Twitter do grupo extremisat teria também divulgado uma fotografia de Omar Mateen, pouco tempo depois do ataque.