A polícia alemã deteve um suspeito islamita na sequência da explosão junto ao autocarro do Borussia de Dortmund. Numa conferência de imprensa realizada esta quarta-feira, a porta-voz da procuradora federal da Alemanha disse que há dois suspeitos de envolvimento no caso e que se tratou de um "atentado terrorista" com "motivações islâmicas".

A porta-voz do Ministério Público federal alemão, Frauke Köhler, indicou que um homem foi "detido temporariamente", mas que os procuradores ainda não decidiram se vão pedir a sua transferência para uma prisão.

As explosões que atingiram o autocarro do Borussia de Dortmund, que ocorreram na terça-feira, antes do jogo da Liga dos Campeões entre a equipa alemã e o Monaco, visavam especificamente o veículo que transportava o clube, como explicou o chefe da polícia de Dortmund.

Os investigadores da polícia estiveram a analisar uma mensagem de um grupo anti-fascista que reivindicava o ataque ao autocarro, que fez dois feridos: um polícia e o jogador Marc Bartra, segundo avança a imprensa alemã.

De acordo com a revista Focus, a nota, publicada num portal anti-fascista, dizia que o ataque foi uma retaliação pela atitude suave do Borussia Dortmund face aos adeptos racistas e neonazis. O site onde a nota foi divulgada ficou, entretanto, offline.

A imprensa alemã revela que a carta começa com referência a "Alá, o clemente, o misericordioso", e faz alusão ao atentado de dezembro num mercado de Natal em Berlim, denunciado ainda que aviões alemães participaram no homicídio de muçulmanos no califado do Estado Islâmico.

O ministério do Interior alemão apenas confirmou que as autoridades estão a investigar "em todas as direções".

Entretanto a chanceler alemã, Angela Merkel, já reagiu aos acontecimentos, afirmando, através do seu porta-voz, estar “horrorizada” com o “repugnante ataque”.

Como os habitantes de Dortmund e milhões de outras pessoas, a chanceler ficou horrorizada com a notícia do ataque contra o autocarro do BVB”, disse o porta-voz da chanceler, Stefan Seibert, à imprensa.

Seibert transmitiu desejos de rápidas melhoras aos dois feridos e disse ser “um alívio” não ter ocorrido “algo ainda pior”.

A chanceler, disse, elogiou “a serenidade” da polícia e dos adeptos e assegurou que todos os organismos encarregados da investigação farão “tudo ao seu alcance para encontrar os autores” do ataque e levá-los à justiça.

O porta-voz anunciou por outro lado que o ministro do Interior, Thomas de Maizière, vai assistir, “em sinal de solidariedade”, ao jogo dos quartos-de-final da Liga dos Campeões entre o Dortmund e o Mónaco, que teve de ser adiado para esta quarta-feira.