A polícia federal brasileira lançou esta madrugada uma nova ação no âmbito da Operação Lava Jato, com mandado de prisão para três pessoas, incluindo o antigo senador Gim Argello, e 14 autorizações de busca e apreensão.

De acordo com o site do jornal Globo, foi "preso com mandado preventivo” o ex-senador Gim Argello cujo nome apareceu na denúncia do senador Delcídio do Amaral, que acusou o antigo parlamentar de cobrar dinheiro a empreiteiros investigados para que não fossem chamados a depor na comissão parlamentar de inquérito.

O jornal brasileiro especifica que "do total de ordens, duas são de prisão temporária, uma de prisão preventiva, 14 de busca e apreensão e quatro de condução coerciva", que obriga a pessoa a prestar depoimento.

A ação batizada de "Vitória de Pirro" investiga a cobrança de subornos para evitar a convocação de empreiteiros em comissões parlamentares de inquérito sobre a Petrobras.

Segundo Ministério Público Federal, há provas de que o antigo senador pediu subornos de cinco milhões de reais (1,21 milhões de euros) à empresa UTC e 350 mil reais (84 mil euros) à OAS, empresas investigadas na operação Lava Jato.