Dois polícias de St. Louis County foram baleados, esta quinta-feira de madrugada, à porta da sede de polícia de Ferguson, EUA, onde um jovem negro foi morto a tiro pela polícia no verão passado,  durante uma manifestação de protesto contra a violência policial, confirmou a polícia citada pela imprensa internacional.

De acordo com o chefe da polícia, Jon Belmar, os dois oficiais foram hospitalizados depois de serem alvejados. Segundo a mesma fonte, o incidente aconteceu durante as manifestações que aconteceram depois da meia noite.

«Os polícias foram alvejados apenas por serem agentes», afirmou Belmar.
 
Um dos agentes foi atingido na cara enquanto o outro foi ferido num ombro. Antes dos tiros, já se tinham registado algumas escaramuças e pelo menos duas detenções.
 
Algumas dezenas de manifestantes estavam concentrados junto à sede da polícia, poucas horas depois de o chefe da corporação ter anunciado que se ia demitir.

Chefe da polícia de Ferguson demite-se após acusações de racismo

O chefe da polícia de Ferguson, demitiu-se uma semana depois do avassalador relatório do Departamento de Justiça norte-americano sobre a atuação das autoridades.

«É com profundo pesar que anuncio que estou a renunciar ao meu cargo», escreveu Thomas Jackson, que era chefe da polícia desde 2010.

A demissão, anunciada esta quarta-feira e que produz efeitos a 19 de março, figura como a mais recente de uma série de outras por parte de várias figuras do poder local, desencadeadas pelo caso de Michael Brown, um jovem negro de 18 anos, que estava desarmado quando foi abatido a tiro em agosto do ano passado pelo polícia branco Darren Wilson.