O presidente sírio, Bashar al-Assad, admitiu esta sexta-feira o risco de invasão da Síria pela Arábia Saudita ou pela Turquia e sublinhou que o objetivo da batalha de Alepo (norte) é cortar o acesso à fronteira com a Turquia.

Numa entrevista à agência France Presse em Damasco, Assad recusou a recente acusação da ONU de que o regime que dirige é responsável por crimes de guerra, acusando a organização internacional de “não dar qualquer prova” do que alega e de seguir “uma agenda política”.

Bashar al-Assad acusa por outro lado a Europa de ser uma “causa direta” da fuga dos civis sírios ao “dar cobertura aos terroristas” e advertiu especificamente França de que deve mudar as suas “políticas destrutivas” de apoio aos “terroristas”, termo que utiliza habitualmente para designar a oposição ao regime.