O furacão Irma perdeu esta segunda-feira intensidade ao atravessar o estado norte-americano da Florida, perdendo a designação de furacão e passando a ser classificado como "tempestade tropical”, uma condição que ainda acarreta perigos.

A passagem do Irma, embora enfraquecido, continua a deixar em alerta as autoridades da Florida, onde já começaram a registar-se os primeiros casos de pilhagens e onde quase 4,5 milhões de casas e empresas estão sem eletricidade.

Na noite de domingo, a polícia da cidade de Miami deteve duas pessoas e colocou outras duas sob custódia devido a incidentes relacionados com roubos.

O furacão Irma tinha descido para a categoria 1, numa escala de cinco, ao aproximar-se da cidade de Tampa, no estado da Florida. Pelas 02:00 (07:00 em Lisboa), o ‘olho’ do Irma estava a cerca de 30 quilómetros de Lakeland e a aproximadamente 40 de Tampa, a maior cidade da baía com o mesmo nome, onde vivem quatro milhões de pessoas, na costa oeste do estado da Flórida.

O furacão Irma movimentava-se em direção a noroeste a 24 quilómetros por hora, com ventos máximos sustentados de 135 quilómetros por hora, uma velocidade inferior à registada no boletim anterior, emitido três horas antes, que era de 155 quilómetros por hora.

Entretanto, o Aeroporto Internacional de Miami (MIA), o mais importante do estado norte-americano da Florida, vai continuar encerrado esta segunda-feira devido aos danos provocados pelo furacão Irma, informou o seu diretor, Emilio T. González.

O aeroporto, que encerrou ao final do dia de sexta-feira por precaução para aguentar a chegada do Irma, sofreu “significativos danos” devido à água, afirmou González, através da sua conta na rede social Twitter.

O Irma já provocou três mortos na Florida, depois de ter deixado um rasto de destruição e de ter provocado quase 40 mortos, na passagem pelas Caraíbas.

Número de mortos em Cuba sobe para 10

O último balanço das vítimas cubanas em resultado do furacão Irma foi revisto em alta para dez. Depois de a tempestade provocar graves danos principalmente nos polos turísticos da ilha, o Governo cubano informou esta segunda-feira que uma dezena de pessoas morreu, elevando para 38 o número total de vítimas mortais nas Caraíbas.

Depois da passagem do perigoso furacão Irma pelo território nacional foi relatada, até o momento, a lamentável perda de 10 vidas humanas", informou a televisão estatal, citando um relatório da Defesa Civil.

A mesma fonte, citada pela agência Reuters, acrescenta que as mortes, na maioria, foram provocadas por acidentes de viação, desabamento de casas e edifícios que não resistiram às fortes rajadas de vento que se fizeram sentir.

As vítimas são das províncias de Havana, Matanzas, Sancti Spiritus e Ciego de Ávila, no centro e no oeste da ilha.

Furacões Irma e Harvey vão custar 241 mil milhões de euros

E enquanto o Irma não passa, já se contabilizam danos, e não só deste furacão. Os furacões Irma e Harvey vão custar 290 mil milhões de dólares (241 mil milhões de euros) ou 1,5 pontos percentuais do PIB dos Estados Unidos, de acordo com uma estimativa do Serviço de Meteorologia privado Accuweather.

As estimativas dos prejuízos provocados pelo Irma devem aumentar para cerca de 100 mil milhões de dólares, tornando-o num dos furacões com os maiores custos de sempre”, afirmou o fundador e CEO do Accuweather, Joel N. Myers, indicando que tal corresponde a meio ponto percentual da economia norte-americana.

“Estimamos que o furacão Harvey seja a catástrofe meteorológica mais cara da história dos Estados Unidos, com um valor na ordem dos 190 mil milhões de dólares, ou seja, o equivalente a um ponto percentual do Produto Interno Bruto” dos Estados Unidos, sublinhou.