O suspeito do ataque com um camião em Estocolmo na sexta-feira, que fez quatro mortos, confessou o crime.

Segundo o seu advogado, ouvido esta terça-feira em tribunal, Rakhmat Akilov, de 39 anos, admitiu ter realizado um ataque terrorista.

A posição dele é que ele admite um crime terrorista e aceita, portanto, que continuará detido", afirmou Johan Eriksson, citado pela Reuters, acrescentando que "ele não confessou apenas. Ele deu informação e está a responder a questões".

Já fora do tribunal, o advogado contou aos jornalistas que Akilov descreveu os seus motivos para o ataque às autoridades, mas escusou-se a prestar mais depoimentos por ter sido proibido pelo juiz de discutir o caso em público.

O suspeito esteve, esta terça-feira, em tribunal e houve uma forte presença policial para assegurar a segurança do momento.

Rakhmat Akilov apareceu vestido com um casaco verde e cabisbaixo. Em tribunal, ficou sentado entre o advogado e um tradutor e ouvi o juiz pedir-lhe que removesse o capuz da cabeça antes de começar a audição.

A procuradoria sueca pretendia que o uzbeque continuasse preso, pedido que foi aceite pelo tribunal. Após o comunicado do advogado, a audiência prosseguiu à porta fechada.

Um segundo suspeito do atentado estava detido para interrogatório, mas a procuradoria decidiu revogar a prisão. 

Rakhmat Akilov foi detido várias horas após o ataque, num subúrbio de Estocolmo. Na sexta-feira à tarde, matou quatro pessoas e feriu 15 quando abalroou a multidão numa rua pedonal com um camião.

O suspeito é um trabalhador da construção civil cuja residência permanente na Suécia foi recusada.

Segundo as autoridades suecas, Rakhmat terá demonstrado apoio a organizações terroristas como o Estado Islâmico, mas não havia nenhuma suspeita de jihadismo antes do ataque.