E se tal como acontece aos estudantes no fim do exame, conseguisse esquecer aquilo que não lhe apetece lembrar? Um novo estudo que diz que isso pode ser possível. 

Depois de várias evidências científicas de que as pessoas podiam influenciar o que queriam mesmo esquecer, Jeremy Manning e Kenneth Norman, que têm vindo a trabalhar na memória ao longo dos anos, descobriram através de uma nova experiência que esquecemos memórias quando descartamos o contexto mental onde essas memórias foram adquiridas.

De acordo com o The Guardian, o estudo sofisticado instruiu pessoas a esquecerem ou recordarem deliberadamente palavras que acabaram de aprender. Depois disso, o cérebro foi analisado para ver o que acontecia. 

Foi então possível ver que o cérebro que tenta lembrar-se mantém a ativo o contexto mental presente durante a aprendizagem, enquanto o cérebro que tenta esquecer deixa de lado o apoio mental que apoiou a construção das memórias.

Assim sendo foi possível concluir que a chave para o esquecimento é a mesma para recordar, o que, para os cientistas, é visto como algo intuitivo.