Mais de 200 pessoas entregaram-se nas últimas semanas à Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) no âmbito de uma operação conjunta de segurança das forças armadas e polícia timorenses, que decorre desde março no leste do país, disse o primeiro-ministro.

Em declarações à Lusa, Rui Maria de Araújo rejeitou que, até ao momento, tenha havido trocas de tiros entre os agentes das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) e da PNTL e os elementos do grupo Conselho da Revolução Maubere (CRM).

«Não houve tiroteios. Houve um encontro com os fugitivos e por não acatarem a ordem da polícia, os agentes dispararam e houve uma pessoa ferida, que levou um tiro no pé. Isso está perfeitamente dentro das regras de empenhamento até agora», afirmou.