A Tânzania decidiu sair do Pacto Global para os Refugiados, que prevê soluções duradouras para os refugiados, incluindo a integração nas comunidades de acolhimento. A decisão foi comunicada pelo próprio presidente do país, John Magufuli, invocando duas razões, em comunicado.

A Tanzânia decidiu retirar-se por razões de segurança e de falta de fundos".

Em janeiro, a Tanzânia informou o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) que estava a suspender a concessão da cidadania a alguns refugiados do Burundi e que desencorajaria novos pedidos de asilo.

A Tanzânia tem sido considerada um refúgio seguro para os refugiados do Burundi e da República Democrática do Congo.

De acordo com o jornal oficial do Governo da Tanzânia Daily News, Magufuli culpa a comunidade internacional por não ter desbloqueado os fundos prometidos para ajudar o país na integração de refugiados.

O Pacto Global para os Refugiados visa a integração dos refugiados nas comunidades de acolhimento. A ideia é que, quando os refugiados têm acesso à educação e ao direito de trabalhar legalmente, podem desenvolver as suas competências e ser mais autónomos, contribuindo para a economia local.