Pelo menos quatro pessoas morreram e 46 ficaram feridas, sete com gravidade, esta manhã na Galiza, norte de Espanha, quando um comboio português de passageiros descarrilou perto da estação de O Porriño, em Pontevedra.

As vítimas mortais são o maquinista português, o revisor espanhol, um maquinista espanhol, mas que viajava como passageiro, e um turista norte-americano. No comboio estavam pessoas de várias nacionalidades: havia britânicos, latino-americanos, um italiano e um coreano. 

O presidente da Junta da Galiza (Governo regional), Alberto Feijóo, admitiu que pode existir uma quinta vítima mortal, ainda encarcerada. O responsável galego, que falava aos meios de comunicação social no local do acidente, disse ter informações dos bombeiros que trabalham no local que pode existir uma quinta vítima mortal encarcerada na composição acidentada.

O comboio com pelo menos 63 pessoas a bordo era luso-espanhol, como confirmou o presidente da Comboios de Portugal (CP), Manuel Queiró, e fazia o trajeto Vigo-Porto na linha conhecida com o nome “Celta”, inaugurada em 2011. Era operado de forma mista pela Renfe pela CP.

O acidente ocorreu cerca das 9:30 hora local (menos uma hora em Lisboa) e o comboio tinha chegada prevista à estação de Campanhã, no Porto, às 10:18.

Manuel Queiró deslocou-se no local do acidente e, em declarações aos jornalistas, descartou a possibilidade de falha humana ou do material circulante. O presidente da CP adiantou que as causas estão "ainda por apurar", mas salientou que o comboio que descarrilou "estava em perfeitas condições" e que o maquinista "era experiente".

Os serviços de emergência estão no local.

A Renfe, empresa que gere os comboios em Espanha, já confirmou que se trata do comboio que liga o Porto à cidade espanhola de Vigo e garante continuar a prestar informações.

Alguns passageiros afirmam que o comboio não seguia a grande velocidade e a Adif, a estrutura que gere as infraestrututras ferroviárias em Espanha, abriu uma investigação para apurar as causas do acidente.

A ligação na linha Pontevedra-Tui-Portugal está suspensa.

O comboio em causa fazia duas ligações diárias entre as duas cidades.

Mariano Rajoy já expressou, via Twitter, "dor e tristeza" pelo acidente.

Comboio "Celta" liga Vigo-Porto desde julho de 2013

O comboio “Celta”, que esta manhã descarrilou em Porriño, Pontevedra, em Espanha, iniciou a sua exploração comercial em julho de 2013, assegurando uma ligação rápida entre Vigo e Porto, com paragens em Valença, Viana do Castelo e Nine.

Com bilhete único com o preço de 14,75 euros, esta ligação partilhada pela portuguesa CP e a pela espanhola Renfe, veio permitir percorrer os 175 quilómetros que separam as cidades em duas horas e 15 minutos, quando anteriormente a ligação demorava mais de três horas.

Desde novembro de 2014 que o Celta conta com automotoras 592.200 que lhe permitem atingir uma velocidade máxima de 140 quilómetros por hora (contra os 120 anteriores) e possuem freio electropneumático.

Nessa ocasião, fonte da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) afirmou que a automotora 592.200, alugada pela CP à Renfe, além de permitir uma melhor prestação, vinha assegurar também um maior conforto aos passageiros.

Segundo dados de agosto e de acordo com o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, nos últimos três anos houve um aumento de 155% do número de passageiros a viajar no “Celta”, fruto da “melhoria” do serviço daquela ligação internacional.

O tempo de viagem desta ligação internacional, que esteve para encerrar em 2011, deverá ser reduzido depois de eletrificada e modernizada a Linha do Minho e parte do troço na Galiza, conforme acordado pelos governos de Portugal e de Espanha.

A Linha do Minho integra o corredor Eixo Atlântico e a concretização do projeto de modernização é relevante para a ligação da rede ferroviária nacional a Espanha, nomeadamente na ligação a Vigo, que poderá permitir o aumento da capacidade exportadora de mercadorias do país.

Partidos galegos suspendem campanha eleitoral

Os partidos políticos galegos - incluindo o PP, o Partido Socialista da Galiza e o En Marea (que inclui o Podemos) - suspenderam os atos de campanha previstos para hoje devido ao acidente com um comboio português em O Porriño (Pontevedra).

O PP (Partido Popular), PSdeG (Partido Socialista da Galiza) e o En Marea (a marca do Podemos para as eleições regionais galegas) lamentaram, em comunicado, o acidente e manifestaram o seu pesar às famílias das vítimas. A Galiza celebra eleições autonómicas (regionais) a 25 de setembro.

O jornal Voz da Galiza noticiou entretanto que também o Bloque Nacionalista Gallego (BNC) e o Ciudadanos teriam suspendido as ações de campanha. A confirmar-se esta informação, significa que os cinco principais partidos das eleições galegas suspenderam a campanha por um dia devido ao acidente ferroviário.