Cinco polícias norte-americanos morreram e sete ficaram feridos com tiros durante uma manifestação em Dallas na quinta-feira de protesto contra a violência policial sobre negros, confirmaram as autoridades locais, num novo balanço das vítimas.

Segundo a polícia, 'snipers' (atiradores furtivos) dispararam sobre 12 agentes das forças de segurança durante uma manifestação contra a violência policial sobre negros.

Além dos polícias, há dois civis feridos, disseram as autoridades.

Três pessoas foram detidas e, num parque de estacionamento da cidade, as autoridades conduziram negociações durante uma hora com um outro suspeito que acabou por morrer depois de uma troca de tiros. Esse homem terá dito aos agentes que “o fim está próximo” e que mais polícias vão ser feridos. 

O homem entrincheirou-se num parque de estacionamento a seguir ao tiroteio e garantiu ter colocado bombas em vários pontos no centro de Dallas, mas a polícia não encontrou quaisquer dispositivos durante as operações.

O chefe da polícia de Dallas, David Brown, havia anteriormente avançado que pelo menos 11 polícias tinham sido atingidos com tiros de dois 'snipers' e que quatro estavam mortos.

Segundo David Brown, pelo menos dois homens armados colocaram-se em locais "elevados" para atingir os polícias durante a manifestação. Os suspeitos ameaçaram ainda fazer explodir uma bomba no centro de Dallas.

Segundo as autoridades, durante a manifestação, os suspeitos colocaram-se numa posição estratégica elevada para conseguirem disparar sobre a polícia. O objetivo dos atiradores era atingir o máximo de agentes possível.

Desde o 11 de Setembro que não havia um ataque tão mortífero contra as forças da autoridade.

Entretanto, o presidente norte-americano Barack Obama, que está na Polónia para a Cimeira da Nato que decorre hoje e amanhã em Varsóvia, já teve conhecimento dos acontecimentos em Dallas e está a acompanhar todos os desenvolvimentos.

Mas ontem, quinta-feira, o presidente norte-americano já se tinha mostrado preocupado com a violência policial sobre os negros.

As autoridades de aviação civil dos Estados Unidos decidiram restringir o espaço aéreo em torno da cidade de Dallas, no estado do Texas, devido ao tiroteio de quinta-feira que causou a morte de quatro polícias.

Nenhum piloto pode operar uma aeronave na zona abrangida” por essa interdição, refere um comunicado emitido para pilotos e companhias aéreas.

Somente voos de emergência, sob instruções da polícia de Dallas, são autorizados no espaço aéreo”, lê-se no texto.

A manifestação desta quinta-feira surgiu após as mortes, registadas em vídeo, de dois homens afro-americanos às mãos da polícia. Também em Nova Iorque houve uma manifestação, igualmente contra a violência policial sobre negros, que terminou com mais de 12 detenções.