O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta terça-feira que os Estados Unidos abandonam o acordo nuclear assinado entre o Irão e o grupo dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha.

O acordo foi concluído em julho de 2015 entre o Irão e o grupo 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – EUA, Rússia, China, França e Reino Unido – e a Alemanha) e visa, em troca de um levantamento progressivo das sanções internacionais, assegurar que o Irão não desenvolve armas nucleares.

Conseguido depois de 21 meses de duras negociações, o acordo foi assinado, por parte dos Estados Unidos, pelo antecessor de Trump, Barack Obama.

Emmanuel Macron, Angela Merkel e Theresa May já divulgaram um comunicado conjunto, lembrando que a decisão de Donald Trump não impede os restantes países que subscreveram o acordo de o manterem. A Alemanha, França e Reino Unido apelam ainda ao Irão para que este dê "provas" do empenho em relação ao documento assinado.

Macron divulgou também uma mensagem na sua conta de Twitter, reforçando a ideia do comunicado conjunto e reforçando que "lamentam" a decisão tomada pelo presidente dos Estados Unidos.

Pouco tempo após Donald Trump revelar a decisão, o presidente iraniano, Hassan Rohani, anunciou que o Irão “vai manter-se” no acordo nuclear de 2015 após a retirada dos Estados Unidos, caso os seus interesses sejam garantidos.

António Guterres deixa apelo

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou aos restantes seis países signatários do acordo nuclear com o Irão que “respeitem totalmente os seus compromissos”, apesar da retirada dos Estados Unidos.

“Estou profundamente preocupado com o anúncio da retirada dos Estados Unidos do acordo e o retomar de sanções das sanções dos Estados Unidos”, referiu António Guterres, através do seu porta-voz.

França, Reino Unido e Alemanha vão reunir-se com Teerão

Os ministros dos Negócios Estrangeiros francês, britânico e alemão vão encontrar-se com representantes de Teerão, na próxima segunda-feira, para arranjarem forma de preservar o acordo nuclear iraniano, anunciou o ministro dos negócios estrangeiros francês.

“Vamos encontrar-nos com os colegas britânicos e alemães, na próxima segunda-feira, e também com representantes do Irão, para analisarmos todas as situações possíveis", disse Jean-Yves Le Drian, à rádio francesa RTL.