Um juiz norte-americano considerou que as denúncias apresentadas por uma mulher que envolvem o príncipe André de Inglaterra são «escabrosas» e «desnecessárias» para decidir o caso. O nome do Duque de Iorque consta nos documentos de um processo de abuso sexual de menores.

Os documentos, que deram entrada no tribunal da Flórida, EUA, foram apresentados por Virginia Roberts. A mulher alega que Jeffrey Epstein, antigo amigo da família real, a forçou a ter sexo com o príncipe André três vezes, quando era menor. 

Roberts afirma que entre 1999 e 2002 foi obrigada a ter relações com o banqueiro e multimilionário e com muitos dos seus amigos ricos e poderosos, incluindo o príncipe de Inglaterra. A mulher, agora com 30 anos, afirma que os atos sexuais com André ocorreram em três sítios: Londres, Nova Iorque, e numa ilha privada caribenha de Jeffrey

O Palácio de Buckingham já tinha negado as alegações e o próprio príncipe reiterou a sua inocência na Conferência de Davos, na Suíça.

«Apenas quero reiterar e reafirmar os comunicados que foram feitos em meu nome pelo Palácio de Buckingham.» 


Epstein esteve preso em 2008 e 2009 por causa de um caso de pedofilia.