A polícia grega prendeu 20 presumíveis traficantes de migrantes que se dedicavam também à falsificação de documentos, principalmente para albaneses que pretendiam instalar-se na Grã-Bretanha, anunciou hoje a Europol, que coordenou a ação, em comunicado de imprensa.

Planificada desde julho, a operação de desmantelamento da rede integrou buscas a quatro vivendas na capital grega, tendo sido descobertos três laboratórios dotados de equipamento completo para falsificação de documentos.

Também foram apreendidos cartões de embarque, dezenas de passaportes e documentos de identidade e mais de 60 mil euros em dinheiro.

A maioria dos detidos da rede, que oferecia serviços na Grécia e em toda a Europa, por via postal e na Internet, é de nacionalidade albanesa, juntando-se a estes gregos de origem albanesa e três sírios.

A operação foi batizada de Taurus, teve a coordenação da Europol e a participação de Portugal, Espanha, Alemanha, Irlanda, Itália, Suécia e Reino Unido.

Pressionada pelas autoridades europeias, a polícia grega fortaleceu a luta contra o tráfico de migrante e a falsificação de documentos, depois do grande êxodo de 2015 e 2016 para a Europa através da Grécia.