Duas pessoas morreram no Japão e várias foram dadas como desaparecidas, na sequência de chuvas torrenciais no oeste do país, onde foram registados numerosos danos.

A agência de meteorologia japonesa advertiu para a possibilidade de elevar para o máximo o nível de alerta em várias regiões, onde podem ocorrer inundações e aluimentos de terra.

Nas últimas 72 horas caiu mais de um metro de água, em parte da prefeitura de Kochi (sudoeste), indicaram os meteorologistas.

"O risco de grandes danos é muito elevado", alertou a agência, que apelidou de terríveis as chuvas já registadas, bem como as que são previstas "em grande parte do Japão, de oeste a leste".

Depois de na quinta-feira ter morrido um operário de construção, o corpo de um homem de 59 anos foi agora encontrado num rio de Hiroshima (sudoeste). Na prefeitura de Gifu foi também encontrado o corpo de uma idosa numa zona inundada.

Em Quioto, uma mulher de 50 anos, dada como desaparecida na quinta-feira, depois do seu veículo ter caído num curso de água, pode ser o corpo encontrado hoje no mesmo local, indicou a cadeia pública de televisão NHK.

Na região de Kitakyushu, as autoridades disseram que várias casas ruíram devido aos aluimentos de terra, que também atingiram várias estradas. As imagens difundidas pelos meios de comunicação social mostravam torrentes de lama em várias localidades.

O Japão é fustigado com frequência por chuvas torrenciais, além de tufões.

As autoridades nipónicas emitiram na quinta-feira e hoje ordens de retirada para pelo menos 170 mil pessoas das regiões de Kobe, Fukuoka, Osaka, Nagano e Quioto, indicou a agência de gestão de incêndios e desastres naturais.

De acordo com a NHK, as autoridades aconselharam cerca de um milhão de habitantes a dirigir-se para um refúgio, em várias regiões de risco normalmente moderado, mas onde a situação se pode agravar rapidamente.