Oscar Pistorius foi condenado esta quarta-feira a seis anos de prisão pelo homicídio da namorada de Reeva Steenkamp, em fevereiro de 2013.

O procurador sul-africano Gerrie Nel tinha pedido uma pena de 15 anos de prisão. Recorde-se que quinze anos de prisão é a pena mínima prevista pela lei sul-africana para homicídio, mas os juízes têm o direito de decidir uma pena menor em circunstâncias excecionais.

O antigo atleta paralímpico foi considerado culpado pela morte da namorada e viu a acusação agravada durante o processo de recurso.

Em outubro de 2014, Oscar Pistorius foi condenado, na primeira instância, a cinco anos de prisão por "homicídio involuntário". Mas depois, o Supremo Tribunal de recurso da África do Sul mudou a sentença, considerando que a primeira instância interpretou de forma errada o conceito de dolo eventual e que Pistorius tinha perfeita noção das consequências que adviriam de disparar a arma para alvejar quem estava atrás da porta da casa de banho de sua casa. Pistorius foi, assim, condenado por "homicídio voluntário".

Depois de ter passado dez meses na cadeia, foi libertado sob fiança e ficou em prisão domiciliária.

O ex-atleta olímpico sempre negou intenção de matar a namorada, alegando que desferiu quatro tiros na porta da casa de banho onde Reeva estava por pensar tratar-se de um ladrão. 

Mas os testemunhos de uma discussão entre o casal deixaram sempre suspeitas no ar e a família de Reeva não se conformou com a sentença.