Os dados das caixas negras do avião que se despenhou esta quarta-feira em Taiwan, com 58 pessoas a bordo, revelaram que o piloto do aparelho anunciou à torre de controlo problemas nos dois motores do avião apenas 37 segundos depois da descolagem. A informação foi divulgada pelo diretor do Conselho de Segurança da Aviação de Taiwan, Thomas Wang.

Mais, estes problemas foram comunicados cinco vezes antes de Liao Chien-tsung ter avisado a falha no motor, através da expressão: «Mayday! Mayday! Flameout!».

«O primeiro motor teve um problema apenas 37 segundos depois da descolagem, a 1200 pés de altitude»


A tragédia aconteceu porque os dois motores falharam, um a seguir ao outro, e o aparelho, um  ATR 72, não conseguiu ganhar impulso suficiente na descolagem.

Primeiro, um dos motores incendiou-se. O piloto anunciou então à torre de controlo a falha de energia, através da expressão «Flameout».

A tripulação é ouvida depois a discutir se se desligava ou não o segundo motor antes que este perdesse também energia. O comando acabou por reduzir a aceleração deste engenho e, após este se ter desligado, tentaram reinicia-lo, mas sem conseguirem o impulso suficiente. Thomas Wang não esclareceu, no entanto, a razão para este motor ter sido reiniciado.

O piloto foi considerado um herói por ter conseguido desviar-se dos edifícios na zona onde o aparelho se despenhou. Segundo a imprensa local, Liao Chien-tsung ainda estava agarrado ao joystick do avião quando o seu corpo foi encontrado.

Esta sexta-feira foram resgatados mais quatro corpos do rio Keelung, em Taipei, subindo assim para 35 o número de pessoas que morreram no voo GE235 da TransAsia. Recorde-se que as imagens impressionantes do incidente foram registadas em vídeo.