As autoridades do México anunciaram hoje que pelo menos oito jovens usaram as redes sociais para coordenarem pilhagens de lojas nos subúrbios da capital mexicana, que levaram a confrontos com a polícia e mais de 100 detenções.

De acordo com o chefe da Segurança Pública do Estado do México, Maribel Cervantes, os investigadores policiais identificaram duas contas do Facebook com mais de 3.500 seguidores que eram usadas para organizar e coordenar os roubos, que ocorreram na quarta e quinta-feira à noite nos distritos de Zumpango, Ecatepec, Tecamac e Tlalnepantla.

"Depois de desativadas as páginas do Facebook, identificámos a criação de grupos do WhatsApp que eram usados para organizar as pessoas", usando diferentes 'hashtags', acrescentou o responsável, citado pela AP.

Oito pessoas entre os 20 e os 30 foram identificadas como administradoras destes grupos de mensagens, concluiu Maribel Cervantes.