Não haverá qualquer referendo para revogar o mandato de Nicolás Maduro. Garantia do próprio Presidente da Venezuela, que tem outra prioriedade em vista.

A prioridade, na Venezuela, não é fazer eleições, a prioridade é a economia, recuperar a produção (...) há que ser claro", disse, no programa de rádio e televisão "Em Contato com Maduro".

Veja também: A imagem que se tornou num símbolo da crise 

Maduro falava no programa de rádio e televisão "Em Contato com Maduro", transmitido desde o Quartel da Montanha, onde repousam os restos de Hugo Chávez, que presidiu o país entre 1991 e 2013.

Falando na terceira pessoa sobre si mesmo, assegurou: "Maduro está aqui e vai continuar aqui". "Porque aqui não haverá [referendo] revogatório", asseverou.

Depois disso, o Governo da Venezuela anunciou que arrancará no sábado com um programa piloto de "abastecimento pleno" de produtos que escasseiam no mercado nacional, prevendo que sejam vendidos "a preços internacionais".

Um país onde farinha, massa e leite custam o salário de um mês

O programa, segundo o governador do Estado de Táchira, José Gregório Vielma Mora, arrancará nas cidades de San Cristóbal (capital de Táchira) e Caracas, capital da Venezuela.

Vamos começar no sábado, em Táchira, numa espécie de Makro [rede de grandes supermercados]. Não haverá limitação na quantidade de produtos, que vão ser comprados em bolívares mas com preços internacionais".