Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, reunidos no Luxemburgo desde sexta-feira no tradicional encontro informal de 'rentrée', vão discutir neste sábado a crise migratória e de refugiados, que tem dividido os Estados-membros.

Esta reunião, na qual participa o ministro Rui Machete, ocorre em plena crise de refugiados, com a União Europeia pressionada a chegar a um acordo, face à escalada do drama de imigrantes que têm morrido “às portas” da Europa, ou já dentro das suas fronteiras, e tem lugar poucos dias antes de a Comissão Europeia apresentar propostas concretas para fazer face à situação, o que deverá suceder na próxima quarta-feira, em Estrasburgo.

A questão que mais trocas de acusações tem suscitado entre os 28 prende-se com o mecanismo de distribuição dos refugiados pelos Estados-membros, que agora Alemanha e França defendem que deve ter um sistema de quotas vinculativas, o que é do desagrado de alguns países.

Na sexta-feira, o Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, apelou à distribuição de pelo menos 200.000 refugiados (enquanto os planos de Bruxelas têm apontado para um número próximo dos 120.000), defendendo também que todos os Estados-membros devem ter a obrigação de participar neste programa.

Na véspera, o Governo português, pela voz do ministro adjunto Miguel Poiares Maduro, indicou que Portugal tem disponibilidade para acolher mais refugiados do que os 1.500 que têm sido referidos, e anunciou a constituição de um grupo de coordenação a nível nacional sobre esta matéria, posição que Rui Machete deverá transmitir hoje aos seus homólogos, durante uma discussão que se prevê acesa entre os chefes de diplomacia europeus.