O ex-vice-presidente da Argentina Amado Boudou foi detido, na sexta-feira, por alegada associação ilícita e manobras de lavagem de dinheiro que, segundo a justiça, lhe permitiram aumentar injustificadamente o seu património.

O economista, de 54 anos, que foi ministro da Economia e vice-presidente da Argentina nos governos de Cristina Kirchner (2007-2015), foi detido no seu apartamento em Buenos Aires e, após uma passagem por uma esquadra, foi levado para prestar declarações em tribunal.

Diante do juiz federal Ariel Lijo, que ordenou a operação por presumível obstrução do caso, Amado Boudou afirmou que a sua detenção é “arbitrária”, acusou o magistrado de ser “imparcial” e pediu a sua libertação – que foi negada –, indicaram fontes judiciais, citadas pela agência de notícias espanhola Efe.