O Supremo Tribunal de Justiça do Cairo anulou hoje a sentença que ilibou o ex-Presidente egípcio Hosni Mubarak da acusação de cumplicidade na morte de 846 manifestantes e anunciou um novo julgamento para 5 de novembro.

Em junho de 2012, o ex-Presidente foi condenado em primeira instância a prisão perpétua por cumplicidade na morte de manifestantes na “Primavera Árabe” de 2011, que o destituiu do poder.

Em novembro de 2014, um tribunal de segunda instância ordenou a retirada das acusações, inocentando Mubarak.

O ex-chefe de Estado, de 87 anos, já tinha sido condenado a três anos de cadeia por corrupção, mas, com o tempo que passou em prisão preventiva, essa pena já está cumprida.

Mubarak sofre há muito de graves problemas de saúde e, por isso, está internado num hospital militar do Cairo. Dada essa situação e o retorno do Egito a um regime militar, é cada vez menos provável que o antigo presidente alguma vez volte a uma prisão.