O primeiro ‘ferry’, com migrantes clandestinos reenviados da Grécia, no âmbito do controverso acordo assinado entre a União Europeia e a Turquia, chegou esta segunda-feira ao porto turco de Dikili, constataram jornalistas da AFP.

O catamarã Nezli Jale, que tinha partido da ilha grega de Lesbos, atracou em Dikili, no oeste da Turquia, por volta das 09:20 locais (07:20 em Lisboa) com dezenas de passageiros a bordo, muitos oriundos do Paquistão e do Bangladesh.

O procedimento foi muito calmo, tudo foi feito ordeiramente", afirmou a porta-voz da agência de vigilância das fronteiras externas da União Europeia, Ewa Moncure, que contou ainda que oficiais turcos estiveram presentes durante todo o processo.

No entanto, na hora do embarque, dezenas de ativistas protestavam contra a deportação dos migrantes junto do ferry gritando "Liberdade".

Outro navio turco em Chios estava pronto para o embarque dos migrantes que tinham sido escoltados pelos polícias da Frontex.

O ministro do Interior turco, Efkan Ala, afirmou que o país está preparado para receber 500 pessoas esta segunda-feira. Segundo informações da AFP, o primeiro grupo de migrantes reenviados para a Turquia é composto por 500 pessoas que estavam na Grécia.

O transporte dos migrantes surge depois de um acordo entre a União Europeia e a Turquia, ao abrigo do qual todos os migrantes que cheguem irregularmente à Grécia devem ser reenviados para a Turquia.

Com apenas alguns minutos de intervalo, foram reinstalados 32 refugiados sírios na Alemanha e 11 na Finlândia.

Na terça-feira, mais refugiados deverão chegar à Holanda, segundo o executivo comunitário, que garantiu que os retornos desta manhã das ilhas gregas para a Turquia “respeitaram integralmente” as leis.

Esforços contínuos da Grécia, Turquia e de todos os Estados-membros são necessários nos próximos dias e semanas”, indicou a Comissão, que tem defendido que através do acordo com a Turquia se substituirá a migração irregular por uma reinstalação legal de refugiados.

Cerca de 1.662 migrantes chegaram à Grécia um dia depois da entrada em vigor no domingo do acordo UE-Turquia e que deveria travar as chegadas às ilhas gregas provenientes da Turquia, informou o Gabinete de Coordenação da Política Migratória na Grécia (SOMP).