A Polónia vai aumentar as suas forças armadas no próximo ano, dos atuais 100.000 para 150.000 homens, por razões de segurança, anunciou esta sexta-feira o ministro da Defesa polaco, Antoni Macierewicz.

O governante não referiu explicitamente a anexação da Crimeia pela Rússia em 2014, ou a revolta dos separatistas pró-russos no leste da Ucrânia, mas ambos os acontecimentos já levaram Varsóvia a investir nos seus meios de defesa.

Os membros e aliados da NATO na região conseguiram fazer uma aliança e colocar mais tropas nos Estados membros do leste europeu – um plano que os líderes da NATO irão formalmente aprovar numa cimeira em Varsóvia, no próximo mês.