As autoridades do Estado do Texas estão à procura de todas as pessoas, crianças incluídas, que possam ter estado em contacto com um paciente liberiano, infetado pelo ébola, que foi diagnosticado tardiamente nos Estados Unidos.

O Centro de Controlo e Prevenção das Doenças (CDC, na sigla em Inglês) afirmou que as pessoas que podem ter sido infetadas são objeto de uma estreita vigilância médica.

A falha no diagnóstico de Thomas Duncan está a causar o pânico em Dallas, pois, entre as idas ao hospital, o paciente esteve em contacto com várias pessoas. Entre estas estão «cinco crianças em idade escolar», declarou o governador estadual, Rick Perry.

As crianças, de quatroo escolas diferentes, estão sob observação médica. «Não apresentam sintomas, por isso as probabilidades de o vírus se ter transmitido é muito baixa», disse o superintendente de Dallas, Mike Miles.

Segundo o The New York Times, tudo começou quando Duncan ajudou a levar a filha do seu senhorio ao hospital, no dia 15 de setembro, que estava com Ébola. Como não conseguiram chamar uma ambulância, tiveram de apanhar um táxi e ao chegarem ao hospital Marthalene Williams, tal como outros liberianos, foi enviada para casa por não terem condições para a tratar. A rapariga, de 19 anos, estava grávida de 7 meses e morreu mais tarde nesse dia.



No dia 19 de setembro, Duncan apanhou um avião para Bruxelas, e outro para o aeroporto de Washington Dulles. E,ainda. um terceiro voo para Dallas, onde chegou a 20 de setembro.

Os três funcionários que iam na ambulância já fizeram análises para verificar se tinham apanhado o vírus e o resultado foi negativo, informou a Reuters. Os familiares do paciente estão a ser vigiados por profissionais de saúde, sendo vistos diariamente, e até agora nenhum deles mostrou ter os sintomas do ébola.

Apesar das autoridades já terem explicado que o ébola apenas se transmite através dos fluídos corporais da pessoa infetada, as pessoas que vivem no bairro em que Duncan estava hospedado, Fair Oaks, ficaram alarmadas.

Linha temporal de Thomas Duncan
15 setembro: ajudou a levar a filha do senhorio, infetada com Ébola, ao hospital
20 setembro: chegou a Dallas
24 setembro: começou a ter sintomas
26 setembro: foi ao «Texas Health Presbyterian Hospital» e mandaram-no para casa
28 setembro: voltou ao hospital de ambulância
30 setembro: o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças confirmou que o paciente tinha Ébola
1 outubro: o estado do paciente passou de «grave» para «crítico»